facebook  

  linkedin  

  youtube  

 

Portuguese English Romanian
BE FIRST®

BE FIRST®

  BE FIRST®   Na GLOBAL CHANGE® Fluxphera, acreditamos que o desenvolvimento das  competências e a gestão da aprendizagem individual / coletiva...

Gestão de competências

Gestão de competências

  Gestão com base em Competências e Talentos   A "Gestão do Capital Humano com Foco nas Competências" é um processo de Aprendizagem...

Estratégia

Estratégia

  Estratégia     As empresas inovadoras não são apenas aquelas que estão invulgarmente qualificadas para produzir novos produtos comercialmente...

CompetencyCore 5®

CompetencyCore 5®

 CompetencyCore5   Em parceria com a HRSG (Canadá), detentora de mais de 25 anos de experiência em modelos de gestão de competências, integrada...

Tecnologia

Tecnologia

 Ferramentas de Consultoria

  • BE FIRST®

    BE FIRST®

  • Gestão de competências

    Gestão de competências

  • Estratégia

    Estratégia

  • CompetencyCore 5®

    CompetencyCore 5®

  • Tecnologia

    Tecnologia

 

 

No âmbito do Projecto Alvos Estratégicos (PAE) promovido pela INOVA-RIA Rede de Inovação de Aveiro, a VLM Consultores, SA e a GLOBAL CHANGE Fluxphera levaram a cabo um  trabalho que objetivou a identificação das competências existentes para a cooperação e internacionalização nas empresas nacionais do setor TICE - em particular dos associados da INOVA-RIA.

 

Para o efeito foi concebida uma metodologia de angariação, tratamento e análise de dados que possibilitaria uma forte interação com as empresas selecionadas do setor em momentos distintos e faseados. Neste contexto destaque para a realização de um inquérito para levantamento de informação quantitativa - cadastro - e informação qualitativa – questionário, bem como a caracterização de competências chave de colaboradores da empresa (realizado em plataforma on-line especifica, individualmente por cada colaborador previamente identificado). Estas ferramentas foram complementadas com a realização de entrevistas presenciais, com representante da gestão de topo das empresas, para revisão e validação das respostas angariadas e exploração de aspetos mais finos sobre o conhecimento da empresa e o seu contexto empresarial.

 

Ambicionando a criação de uma ferramenta útil de caracterização da situação atual e de posicionamento relativo nas dimensões críticas na perspetiva de cooperação e internacionalização do sector TICE nacional (na linha da metodologia do Innovation Scoring da COTEC, muito embora de âmbito e objetivo distinto), materializou-se o iNTERCOOP scoring que possibilitará eventual monitorização contínua por parte de cada empresa.

 

Pretendendo retribuir o contributo dado por cada empresa participante, paralelamente a esta publicação, é disponibilizado um relatório individual (confidencial) no qual constará, para efeitos de benchmark, o seu score iNTERCOOP e o seu posicionamento relativo no setor, bem como, o relatório de análise global às avaliações de perfis de competências TICE realizados por cada empresa.

 

Como principal constrangimento a relatar, a equipa destacou a dimensão da amostra alcançada na materialização das ferramentas. Esta, apesar dos esforços efetuados, não apresenta a relevância dimensional que manifestamente caracterizava a ambição e a importância do estudo. Todavia, foi possível deter uma variedade amostral relevante em termos geográficos, dimensionais e nas práticas, métodos e processos de cooperação e de internacionalização, o que qualifica os resultados alcançados como relevantes em função dos objetivos pretendidos.

 

Relativamente às elações que podemos inferir das análises efetuadas nas dimensões críticas para a cooperação interempresarial e/ou internacionalização, destacamos os seguintes aspetos:

 

  • na determinação de uma estratégia de internacionalização é muito reduzida a parcela de empresas do setor que assume como relevante a capacidade de articulação com a de alguns parceiros preferenciais;

     

  • maioritariamente, a liderança das empresas estudadas, centraliza em si os esforços de procura e concretização de oportunidades de internacionalização;

     

  • a generalidade das empresas reconhece como relevante a detenção de certificações/qualificações internacionalmente reconhecidas, negligenciando todavia a importância da proteção de propriedade intelectual;

     

  • maioritariamente as empresas afirmam adotar práticas com vista a detetar oportunidades no mercado externo, pese embora não detenham processos sistemáticos implementados para esse efeito;

     

  • a maioria da amostra inquirida considera que o processo de internacionalização tem um contributo determinante para o reforço de competências dos colaboradores, técnicas e comportamentais;

     

  • à semelhança das práticas de internacionalização, as empresas inquiridas consideram o recurso às práticas de cooperação relevante em termos de impacto nos resultados, considerando-as adicionalmente como um recurso importante para alavancar os processos de internacionalização.

 

Finalmente, no que concerne às avaliações de competências realizadas, importa destacar que as competências técnicas são as que apresentam uma maior aproximação ao referencial (sénior) do estudo. Por outro lado, as competências denominadas soft skills apresentam um maior afastamento em relação ao referido referencial, representando claramente uma oportunidade de melhoria, com influência potencialmente relevante ao nível da participação em redes de cooperação interempresarial para promoção da internacionalização, entre outras. Esta inferição poderá ser mitigada através da introdução de empresas de outros setores (fundamentalmente não tecnológicos, em que as soft skills evidenciem níveis de proficiência superiores) nas redes de cooperação interempresarial a criar, criando as ambicionadas “redes interempresariais sustentadas de base tecnológica”.

 

Para mais informações não hesite em nos contactar através do e-mail  This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

 

Partners

                 learning working group